[email protected] 42 999.414.488
Couraças musculares: Como nossas emoções se fixam em nosso corpo.
dezembro 4, 2017
0

A terapia corporal tem como objetivo flexibilizar as couraças musculares instaladas nos diversos segmentos do corpo, que nos impedem de uma livre circulação energética, bem como de dar fluência aos movimentos e à dança da vida. Trabalhando terapeuticamente nas couraças se permite acessar emoções, que foram difíceis de lidar em nossas fases de desenvolvimento e que criaram as Couraças. A liberação dessas emoções produz alívio, conhecimento e relaxamento.

As Couraças musculares podem atingir órgãos e provocar um estado de contração no corpo, produzindo manifestações psico-somáticas. Em última instância, o corpo se contrai até atingir estados crônicos e produzir doenças, por falta de flexibilização das mesmas.

Wilhelm Reich foi um dos que mais contribuiu para o desenvolvimento das ciências da mente-corpo do início do século XX, sendo reconhecido como o principal motor deste tipo de investigação científica no Ocidente até a década de 40. Reich propôs um modelo da condição humana, que postulou uma teoria da energia como sendo uma componente fundamental de toda a matéria e espaço, um conceito que ele chama de energia mainPic10“orgone”.

Reich afirmou que desenvolvemos uma couraça muscular que bloqueia a nossa energia. Ele afirmou que “Blindagem é a condição que ocorre quando a energia é ligada pela contração muscular e não flui através do corpo” (Reich: 1936). Ele verificou que existia blindagem de carácter que ele definiu como “a soma total das atitudes típicas de caráter, que um indivíduo desenvolve como um bloqueio contra a sua excitação emocional, resultando em rigidez no corpo e falta de contato emocional”. Ele definiu a couraça muscular como “a soma total de musculares (espasmos musculares crónicos) que um indivíduo desenvolve como um bloco contra a irrupção de emoções e sensações de órgão, particularmente ansiedade, raiva e excitação sexual” (Reich: 1936).

“Blindagem é a condição que ocorre quando a energia é ligada pela contração muscular e não flui através do corpo” Wilhelm Reich.

Alexander Lowen, que era um associado de Reich, resumiu esse efeito global: “o carácter do indivíduo como ele se manifesta no seu padrão típico de comportamento, também é retratado ao nível somático pela forma e o movimento do corpo. A expressão corporal é a visão somática da expressão emocional típica que é vista a nível psíquico como carácter. Defesas aparecem em ambas as dimensões, no corpo como couraça muscular.” (Lowen: 1976).

Reich estabeleceu então uma teoria de segmentação da blindagem para explicar como o corpo estabelece o seu equilíbrio psíquico. Nesta teoria falamos de sete segmentos do corpo onde existem tensões ou se desenvolve blindagem muscular, e onde as contrações segmentares são perpendiculares ao fluxo de força vital ou energia orgone no corpo. Na verdade o conceito de Reich dos 7 segmentos também pode ser correlacionando ao sistema de 7 chakras da Filosofia Oriental, de muitas formas a premissa é basicamente a mesma da proposta pela filosofia oriental, mas colocada de uma forma ocidental, que tenta ser mais quantitativa e dedutiva.

Estes são os sete segmentos que foram delineados por Reich:

  1. Ocular ou visual
  2. Oral
  3. Cervical
  4. Torácica
  5. Diafragma
  6. Abdominal
  7. Pélvica

couraC3A7a-reich

Esta teoria, fala de 5 caracteres primários. As características das cinco estruturas básicas de caráter arquetípico são resultados previsíveis com base nas teorias de blindagem de Reich, e dizem-nos muito sobre a história pessoal de uma pessoa já que está escrito no corpo.

Reich também delineou o conceito de um bloqueio realizado no corpo, que pode apresentar sinais físicos de manifestação. Bloqueios mostram frequentemente um dos 7 segmentos em excesso, descarga, tensão e sobrecarga.
Essa interação dos 7 segmentos constitui a etiologia das 5 estruturas de carácter primárias, que não são formadas de forma isolada um segmento, mas sim relacionam-se com a economia de energia e a regulação entre os segmentos.

Referências:
1.     Character Analysis, Reich Wilhelm, 1975, 5th enlarged edition, New York, Farrar Publishing.
2.     Bioenergetics, Lowen Alexander, 1976, Penguin books, New York.
3.     Language of the Body, Lowen Alexander, 1971, MacMillan, New York.
4.     Wilhelm Reich : The Evolution of his Work, Boadella David, 1973, Vision Press, Chicago.

Fonte: BlogDaBiosintese

Imagem: Waved dancer

Deixe uma resposta